20 de dez de 2016

"Pois tocar o céu nunca teve a ver com altura."

Vim aqui me buscar, com medo e coragem. Com toda a entrega que me era possível. Com a humildade de quem descobre se conhecer menos do que supunha e com o claro propósito de se conhecer mais. Vim aqui me buscar para varrer entulhos. Passar a limpo alguns rascunhos. Resgatar o viço do olhar. Trocar de bem com a vida. Rir com Deus, outra vez. Vim aqui me buscar para não me contentar com a mesmice. Para dizer minhas flores. Para não me surpreender ao me flagrar feliz. Para ser parecida comigo. Para me sentir em casa, de novo.

"Ela tinha aqueles olhos grandes
E castanhos
Que pareciam engolir o mundo,
Eram como um universo além do nosso.
Não sei o que brilhava mais
Aquele olhar
Ou aquele sorriso,
Ela sorria como quem nem se importava com a vida,
Distribuía sorrisos por onde passava,
Encantava todo mundo que pra ela olhava,
Tinha uma voz tão doce
E dançava como quem se encontrava ali naquela pista.
Ela nem percebia como sem querer,
Chamava a atenção de tantos,
E por não saber o que fazer com tanta atenção,
Por não saber quem era,
Carregava um semblante perdido,
Se preocupava tanto em quem deveria ser,
Ou o que deveria mostrar,
Que deixava de ser ela mesma,
Mas ali, naquela pista de dança,
Ela se encontrava consigo mesma,
E a cada passo que ela dava,
A cada balançar da saia,
Ela arrancava inúmeros suspiros,
Ela dançava mesmo sem música,
Fazia do chão de terra seu palco,
E ria como quem tinha toda a certeza do mundo,
Mas seus olhos demonstravam toda a confusão que havia nela, confundindo
Quem olhava pra eles também.
Ah, como seria bom se alguém contasse pra ela,
Que ela não precisava se preocupar em ser alguém,
Que ela com aquela leveza de não saber quem poderia ser, já era tanto,
Que ela era a mais bonita das poesias,
E que ela não imaginava, mas já tinha arrancado o coração de tantos poetas.
Que eu era apenas mais um dos inúmeros que a admirava de longe,
Enfeitiçado pelos seus encantos,
Torcendo pra um dia poder me perder com ela,
E ela, na sua ingenuidade,
Queria se encontrar.
Ah, se ela soubesse o quão era difícil olhar para aqueles olhos gigantes e
Não se perder...
Alguém deveria contar a ela."

2 de set de 2016

1 de set de 2016

breakaway


Vem, setembro!

Algo me diz que tudo vai dar certo. Tem que dar. De um jeito ou de outro. Vou cair, vou levantar e vou seguir até cair de novo e levantar e cair, até não cair mais. E cair outra vez. Vai ter dor, vai ter decepção, vai ter sorriso e vai ter suor. Pessoas vão chegar e vão partir. Algumas deixarão saudade, outras nunca partirão, seja fisicamente ou só no coração. Para as cargas mais pesadas, terei os ombros mais fortes e das grandes provações tirarei as melhores lições. Vou lembrar de você com carinho, mas preciso seguir em frente. Me permito errar e ser triste, mas que dure apenas o intervalo de dois sorrisos. O coração calejado suporta mais. Hoje foi melhor que ontem, mas ainda não é nem a sombra do amanhã. Vou dar o melhor de mim. Sempre. E, quando não for suficiente, terei uma carta na manga. Ou duas. Eu tenho um plano. Na minha vida não existem objetivos não alcançados, apenas momentaneamente incompletos. Um sorriso no rosto e uma saudade no peito. Sem medo de errar.